quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Uma carta para a Ovelhinha

 


Todos os dias, a ovelhinha encaracolada passava pela floresta, atravessava o campo, subia a pequena montanha, repirava o jardim e chegava à caixinha de correio. Lá um passarinho havia feito um doce e pequeno ninho, o que incomodou demais a ovelha. Ela pensava que se deixassem uma carta para ela, o passarinho poderia pegar e sair voando com ela.

Mas a carta que a ovelhinha tanto esperava nunca chegava, e a tristeza pela carta que nunca chega é difícil, e um dia perto da caixinha ela começou a chorar.

- Porque chora tanto? – perguntou o passarinho.

- Espero uma carta que nunca vem – disse ela.

- Como pode esperar por algo que sabe que nunca vai vir?

- Eu não sei – disse a ovelha pensando – só sei que se eu não esperar, vai ficar mais difícil chegar não é? Eu queria tanto um dia receber uma carta!

- Não entendo, o que tem assim de tão especial em uma carta?

- Eu li que cartas são como um presente de amor, que quando alguém ama muito você, respira fundo e escreve uma bela cartinha poética. Acho que ninguém me ama.

- Devem amar sim, logo uma carta deve chegar pra você – disse o passarinho só tentando animar a ovelhinha. No fundo ele não entendia muito bem de cartas, também nunca havia recebido uma, e só fizera seu ninho ali na caixinha de correio porque era bem quentinho.

A ovelhinha encaracolada enxugou as lágrimas e foi para casa. Continuou sua caminhada de todos os dias pela carta tão esperada. Começou a conversar muito com o passarinho que antes não simpatizava. Ela já estava gostando do pequenino ser e seu ninho entre as cartas que nunca eram para ela.

- Você é tão azul! – dizia a ovelhinha.

- E você se parece com uma nuvenzinha, eu gosto de nuvens, sempre vou até o céu vê-las! – dizia ele.

E cada dia gostavam mais um do outro.

Certa vez choveu sem parar, a chuva riscava toda a floresta com fiapinhos constantes de águas sonhadoras, e a ovelhinha enfim pensou “gosto tanto daquele passarinho, e a chuva é tão bonita, acho que vou escrever uma carta para ele”.

E escreveu. Pegou um papel azul bonito e começou a escrever muitas palavras bonitas como poesia. Colocou em um envelopinho e o lacrou com uma cerinha vermelha, como seu coração.

Depois de tudo pronto, pegou seu guarda-chuva e foi caminhando para a caixinha de correio. O passarinho estava aconchegado lá dentro para se proteger da chuva, ele estava dormindo silenciosamente. A ovelhinha encaracolada colocou então a cartinha bem perto dele sem fazer nenhum barulho e foi embora.

Quando amanheceu, o sol douradinho na grama se estendeu, e ali do ladinho da ovelhinha, estava uma carta bem pequenina. Ela sorriu tanto e tanto, e começou a ler as palavrinhas do passarinho.

E a carta que tanto buscava chegou até ela cheia de asas, finalmente a encontrou, quando ela também encontrou um amigo que lhe despertou a vontade de escrever. A carta era tão bonita, e ela agradeceu por toda a sua espera, todas suas idas na caixinha do correio. A carta, tão preciosa carta, ah seu coração deveria ser feito de cartinhas de passarinhos! Ela realmente se sentiu uma nuvenzinha no céu.



5 comentários:

Afternoon Picnic disse...

Minha doce amiga. Que doçura essa história. Eu já me senti como a Ovelhinha Encaracolada, mas depois de receber sua cartinha me senti tão feliz! 💌💖🎨

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e outros textos literários. disse...

Que doce está este espaço,
Querida Gaby Soncini!
Tudo se parece mini
E de bom gosto com traço
Infantil e o laço
De fita no coelhinho
Parece de um carinho
Verdadeiro com amor
De Deus pai Superior
Que nos guia no caminho.

Parabéns pela linda postagem Gaby! Obrigado pela informação do teu nome. Em Florianópolis também tem uma família Soncini. Abraço cordial. Laerte.

Graça Pires disse...

São pura magia as histórias que contas, já to disse várias vezes, minha Amiga Gaby. Fico sempre deliciada. Esta é uma ternura mesmo.
Cuida-te bem.
Uma boa semana.
Um beijo.

As Mulheres 4estacoes disse...

Gaby, você conta suas histórias com tanta doçura. É sempre uma alegria passar por aqui e te ler.
As vezes é preciso dar o primeiro passo para que a vida retribua.

Bjs
Sônia

isadora disse...

Que história mais linda, fiquei com o coração quentinho no final, é apaixonante imaginar todo esse cenário encantado. Adorei o tema sobre as cartinhas, pois gosto muito de trocar cartas. Sempre que leio seus contos sou teletransportada para livros de contos de fadas ♥ Gaby, te indiquei para responder uma tag de Halloween lá no meu blog <3 Eu acho que iria ficar muito linda com as suas aquarelas ♥ Um beijo e ótima segunda para você <3

Isa, www.isamateur.com