sábado, 12 de julho de 2014

Asas de estrelas



Lá na grama
tinha uma flor.
Florzinha bonita
perfumada da chuva passada.
De gotinhas cristalinas
estampada dentro de pétalas
sorria as estrelas do céu.

Fiquei na grama de terrinha molhada,
sentindo seu perfume,
recebendo carinho de pétalas
entre as minhas mãos.

E de repente nesse momento
de tanto perfume e luz
senti várias estrelinhas
caindo em minhas costas,
fazendo cócegas bem levinhas.

Uma por uma foram se juntando,
uma chuva de estrelas caindo,
brilhando assim como vaga-lume,

E quando pararam e eu olhei,
espantada nem pude acreditar!
As pequenas estrelas
em mim fizeram asas.

10 comentários:

Washington Albuquerque disse...

Serenidade, doçura e fantasia. Inspirador *-* Me lembrou uma frase também "O que tenho nas mãos é um pouco de poeira das estrelas e um fragmento do arco-íris"do Thoreau <3

Isso aí.
xoxoxo
ugdu :))

Larih disse...

Ah, seus versinhos são sempre carregados de magia e doçura, são encantadores ♥

Vanessa Palombo disse...

Doce ternura....

Bjos

© Piedade Araújo Sol disse...

escreves sempre com tanta ternura, e isso até se reflecte também na poesia.

beijinho

:)

Catarina Luna disse...

asas que te permitirão voar bem alto, espero eu :)
um beijinho grande ❤️

Aline Teles disse...

Tu escreves com uma doçura incrível. Fantástico! Beijos.

Lucas - Blog: Overture disse...

Talvez as estrelas possam fazer asas. Talvez possam simplesmente abrir os olhos de quem as possui, para que as vejam. O perfume que exala da flor passou por ti, veio ao poema. E o fez perfumado e belo.
Penso em como seria compores poemas sobre imagens de pinturas clássicas. Mas foi somente um pensar.
Beijossssssss

Bruna Araújo disse...

Como sempre, lindos poemas.

Graça Pires disse...

A ternura numa flor...
Beijo.

Fabíola Weykamp. disse...

Doce, Gaby! Doce melodia!!!!
Linda poesia e ilustração!!!!!!

Saudades! Beijos de amor.