domingo, 15 de junho de 2014

O cobertor do urso


O urso Pote de Mel adora dormir, poderiam chamá-lo de dorminhoco, de soneca, de qualquer outro nome que lembrasse sono, mas o urso era tão bondoso que todos o chamavam de Pote de Mel, ficava assim mais bonito e todo cheio de doce. 
Ele havia ganhado um lindo cobertor dos seus amigos, eram um cobertor feito de retalhos, cada amigo tinha feito uma partezinha dele, e depois juntaram todas as partes para formar um cobertor grandão.
Ah como ele gostava daquele cobertor! Tinha o cheirinho e o abraço de todos os seus amigos, do coelho Léo, da coruja Clara, do lobo Heitor, do passarinho Sementinha, do esquilo Dente Forte, todos e todos os seus amigos estavam ali.
Quando chegava o tempo do urso dormir, todos os amigos iam lhe dizer bom sono e bons sonhos, ficavam um pouco tristes porque Pote de Mel iria dormir bastante, mas o urso sempre dizia:
- Dormirei com o cobertor mágico e não estarei longe de vocês.
Assim os dias frios se passavam, e o urso enrolado em seu cobertor dormia e sonhava. Quais sonhos se sonham quando dormimos com um cobertor de retalhos mágicos? Sonhos bonitos de certo.
Ele sonhava que as árvores tinham folhas de estrelinhas e luas, e que dormia embaixo e pertinho do céu. Sonhava com um monte de potes de mel, tão doces que faziam cócegas na língua. Sonhava que voava mesmo sendo um urso grandão e pesado sem asas. Sonhava com uma primavera brilhante e lá ia ele atravessando uma ponte toda ensolarada. 
E quando menos esperava a primavera ia brotando, e os olhos de Pote de Mel se abriam. Ele dava aquela espreguiçada que se dá quando acorda e ficava sorrindo. Dobrava e guardava o cobertor com muito carinho e cuidado, e lá nos campos verdinhos e cheios de orvalho os amigos estavam brincando, correndo e tomando sol.
E o urso Pote de Mel começava a pensar que a vida é um cobertor de tantos retalhos pequeninos que se juntam dentro de uma pessoa só. O inverno havia sido quentinho e protegido, e agora a primavera se estendia em um lindo caminhar para se esticar os braços e correr. Com um último bocejo ele tão dorminhoco e cheio de sono saiu correndo pelos campos sendo um urso cheio de sonhos e acordar também. 

7 comentários:

Washington Albuquerque disse...

Essa pintura *-* Poxa, o texto me lembrou, de certo modo, o Pequeno Urso, sabe? rs Coisa velha mesmo. Mas o texto está lindo.

Isso aí.
xoxoxo

Samuel Balbinot disse...

Bom dia Gaby.. se os humanos fizessem uma parte que os bichos fazem tudo aqui seria muito melhor.. bjs de bom dia

Lapidando Versos

Lucas - Blog: Overture disse...

Não pude deixar de me encantar com um ursinho que, mesmo com aquela pele toda, se proteja do frio com um cobertor! rs Muito belo, totalmente diferente daquela ideia trágica que os seres humanos carregam dos ursos, sempre tão ameaçadores. Este não, este espera pela primavera para espreguiçar e voltar a correr pelos campos! rs Muito carinhoso e belo! Beijossssssss

Vanessa Palombo disse...

Oi Gaby,

Um mimo de história...

Bjos

Marco Y disse...

Gaby,

Gostei muito de sua história. A analogia do retalhos que as pessoas deixam em nossas vidas, tal qual o cobertor do urso, é muito poético.

Um grande abraço e parabéns pelo texto.

Graça Pires disse...

Gosto mesmo de histórias bem contadas...
Um beijo.

Vulgo Emilie disse...

own, que conto meigo, gaby. e o seu desenho deu aquele quê especial a ele. já pensaste em escrever um livro pra crianças. se ainda não pensou, é hora de considerar essa ideia [você mesma poderia ilustrá-lo]