Páginas

sábado, 8 de março de 2014

O céu das mãos.

Um céu pequenino
caiu nas minhas mãos.
Pude até ver as nuvens andando
pela ponta dos dedos,
o sol no polegar,
os passarinhos voando nas linhas,
a aurora dos espaços,
o azul de algumas veias.
E quando a noite caiu,
as estrelinhas cadentes desceram
fazendo uma chuva de cócegas
na palma da minha mão.
Fechei os dedos em concha,
e as estrelinhas escorreram pelo braço todo.
E eu de tanta cócega de estrelas,
fiquei sorrindo constelações inteiras.
Ele chegou de mansinho,
estranhou meu sorriso,
E me deu a mão.
Ele nem percebeu o céu
que tinha nela também.
Formamos galáxias pequeninas,
cheias de nebulosas,
com as mãos dadas assim.

8 comentários:

Jason Jr. disse...

Lindo! Ótimo Domingo senhorita Gabi!

Samuel Balbinot disse...

Bom dia Gaby..pela sensibilidade que colocas em tudo que escreves tu só pode estar talvez sem saber canalizando pensamentos e histórias sutis para as almas lerem e se banharem de pureza.. bjs de bom dia

Marta Vinhais disse...

E abre-se o Mundo...
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Catarina Luna disse...

Gaby, minha querida, gosto sempre de vir aqui porque me sinto aconchegada. continua a encantar. um beijinho grande!

*Escritora de Artes* disse...

Sorrir constelaçoes é lindo...

Mais um texto encantado...

Bjos

Aline Teles disse...

Que delicadeza! Lindo o seu poema. Tu escreves magnificamente. Beijos.

Lucas - Blog: Overture disse...

O céu que caiu inteiro em tuas mãos é o mesmo céu pequenino que brilhou na pupila de nossos olhos. E as estrelinhas cadentes que iluminaram minha noite, por esta noite, são as letrinhas pequeninas do lindo poema que acabei de ler. Desabas céus de algodões doces sobre nós. Beijosssss

Graça Pires disse...

Se tens o céu nas mãos não o deixes escapar...
Gostei do poema.
Beijos.