quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Instantes de Céu.

Ele levava na mão uma poesia, atravessava com passos apressados, porém calmos, naquele parque, algumas crianças corriam com balões coloridos, algumas pessoas liam debaixo das árvores, alguns corriam, outros pedalavam, outros simplesmente estavam sentados. Era um singelo dia de quase outono, o verão já se despedia, e a luz do fim da tarde iluminava delicadamente a todos. Como era bonita aquela sensação de se preparar para o outono, mesmo que se desmanchasse, as árvores pareciam diferentes, a luz, o céu, tudo estava diferente, e ele ali com a poesia nas mãos.
No lugar marcado, pertinho da caixinha de correios no finzinho do parque, lá estava ela, a primeira coisa que ele olhou foi para a luz que estava nos cabelos dela, apressou um pouco mais o passo, ela por ouvir se virou e o viu, e a primeira coisa que olhou foi para a luz que vinha de dentro dele.
- Cheguei enfim – disse ele.
- Antes atrasar do que nunca chegar não é? – disse ela – acho que ouvi isso em algum lugar de que não me recordo agora.
- Também acho que já ouvi – ele deu um meio sorriso e ficou de frente para ela, havia luz de quase pôr-do-sol no seu olhar.
- Pronto para mais um outono? – ela perguntou.
- Eles sempre vêm não é? Mas eu gosto deles, imensamente – respondeu.
- Eu também, o verão passou rápido, as luzes já mudaram, as árvores e seu cantar também.
- Gosto desse farfalhar de folhas aqui, parece uma melodia mágica não é? – disse ele.
- Eu sempre fico a escutar o farfalhar das árvores, é fechar os olhos e ficar um pouco com a luz no coração, que parece que estamos sei lá, perdidos – disse ela sorrindo.
- Perdidos?
- Sim perdidos, não encontrados, eu sei que as pessoas não gostam muito dessa sensação, ela é complicada eu sei, mas eu gosto, gosto de me sentir perdida em lugares outros, gosto de ouvir esse farfalhar de quase outono, e quando ele chegar então?
Ele ficou por um tempo em silêncio, o sol baixou mais um pouco e ela olhou para os cabelos dele, os cabelos cheios de fim de tarde, a pele, os olhos, as mãos que carregavam um papel dobrado.
- Já percebeu como nossa alma fica mais iluminada com a luz do céu? Eu olho para você agora e acho tão bonito essa luz do fim da tarde, do quase outono em ti.
- Você também está linda nessa luz do dia, é como se fizesse parte dela, como se saísse de dentro dela – disse ele sorrindo.
- Será que todos reparam nisso? Estão reparando nisso agora?
- Não sei.
- O que é esse papel que tem nas mãos?
- Ah esse? – disse ele erguendo as mãos – não é nada, é que eu estava lendo um livro, e bom, é um poema, eu quis trazer para ti.
Ela pegou o papel que ele entregou, mas não abriu, guardou dentro da bolsa.
- Lerei com muito carinho em outra hora, agora quero ver mais essa cor em tudo por aqui – disse ela olhando para as árvores, para o céu, um beija-flor passou voando no instante em que ela olhou para um canteiro de margaridas que tinha ali perto.
- Eu estou apaixonado – disse ele.
- Não diga isso, é só a luz – falou ela sem graça – essa luz tingindo seus cabelos, tudo isso, um fim de verão, e ainda me falas de amor? Vou até chorar.
- Não chore – disse ele.
- Isso é um instante de céu – falou ela no mesmo instante em que passou um homem tocando flauta, ele usava botas beges, um gorro verde, e parecia ter saído de uma história mágica, deveria ser um artista do parque, falou no mesmo instante em que o beija-flor voltava para as margaridas, o instante mágico de se dizer uma frase no mesmo tempo que outras coisas bonitas acontecem.
Ele se aproximou dela e pegou em suas mãos, ela tremia um pouco, mas estava sorrindo.
- Eu também estou apaixonada – disse ela.
E os dois deram um terno beijo no mesmo instante mágico em que a luz dois parecia ser uma luz só, luz de fim de verão, luz de fim de tarde, cor de ternuras cheias de amor. 

11 comentários:

*Escritora de Artes* disse...

Oi Gaby,

Que final surpreendente, adoreiiii

Bjos

Jason Jr. disse...

*-*

BIA disse...

Hoje é Valentine's Day em alguns países e o seu texto combina perfeitamente com este dia!!! Que lindo Gaby!!! ^.^
Bjs

Nina disse...

Uma pena que hoje em dia o amor tenha se manifestado apenas em tons de cinza. gosto o colorido e também da amenidade e conforto que um céu azul nos traz. Tudo se ilumina.
Abraços.

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

As palavras
que acordam
sentimentos
em quem as lê,
são preciosas...

Desejo que o amor,
faça morada em seu coração.

Canteiro Pessoal disse...

Doce como sempre!

Abração florzita!

Priscila Cáliga

Iasminne Fortes disse...

Aquele texto que você termina de ler com um risinho no canto da boca.

"- Já percebeu como nossa alma fica mais iluminada com a luz do céu?"

Lindo! Coisa de alma mesmo!

Beijos!

Camila disse...

Adoro romances -*

Kamila Behling disse...

Sem-pre lindo! ;D

Denise Portes disse...

Gaby,
São os romances que enchem as nossas vidas de alegria. Linda a sua história.
Beijos
Denise

Kim Aniston disse...

Encantada! seu blog me deixou anestesiada de amor! parabéns, belos textos que nos fazem sonhar....hehehe...te seguindo hj e sempre...beijos!