quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Há verso?




- Tens chorado bastante, embora não com as lágrimas a saltitar suas pálpebras, choras em silêncio que ninguém vê.
- Não diga isso, no fim sempre acabo chorando visivelmente, o coração não aguenta muito guardar as lágrimas que precisam sair pelos olhos.
- Alguma tristeza?
- Sempre há tristezas, sempre.
- E você chora por elas?
- Nesse momento sim.
- E como é essa tristeza?
- Uma tristeza solitária.
- Não sei se entendo.
- Tristezas solitárias são difíceis mesmo de entender.
- Posso lhe dar um abraço?
- Pode, e você sempre está em meu abraço, desde sempre. 
- Talvez aliviasse escrever um verso.
- Acho que hoje meu coração não está para os versos.
- Bobagem, seu coração sempre está para os versos, para as pequenas histórias, para as melodias. Irás melodiar sempre, mesmo com as tristezas solitárias difíceis de entender.
- Pode não ser difícil de entender, mas quando não se consegue colocar em palavras um sentimento, sempre é bonito colocar que não se entende.
- Irás ficar bem, e fará um verso mágico de bem-te-vi atravessando o arco-íris do fim da tarde.
- Hoje não há.

4 comentários:

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Como é bonito
este texto,
e sua frase final,
de uma doçura
que poucas vezes
vi em outros textos.

Claro, que a mensagem
é deliciosamente bela...

Que todos os dias
os sonhos nasçam em ti,
como nasce o sol pela manhã...

Pedro Luis López Pérez (PL.LP) disse...

Seguro que tus versos serán Mágicos como siempre.
Abraços.

*Escritora de Artes* disse...

Oi Gaby,

Sempre me surpreendo com seus textos...esse é mais um que entrou para a lista dos meus preferidos..

Bjos

© Piedade Araújo Sol disse...

tão terno.

beijinho!