sábado, 5 de janeiro de 2013

Cartas, goteiras, caixinha abandonada e passarinhos.



Nunca pensei muito bem como poderia escrever essa história, até que um dia uma gota de chuva caiu do telhado sobre o papel, e foi então que descobrimos as goteiras dentro que antes não havia, tirei a mesa do lugar e enquanto a chuva durou, o gotejar não parou nos baldes, fiquei escutando, e a gota que tinha caído primeiro, já tinha secado no papel.
Naquele dia da gota no papel eu pensei em uma carta, e então minha história continuou em outro dia quando andava de bicicleta pelos campos e começou a chover novamente, com o chão todo molhado eu escorreguei, caindo perto de uma caixinha abandonada de cartas, em cima dela estava um passarinho se banhando na chuva, ele chegou perto de mim e me disse “meu ninho tem muitas goteiras”, e eu respondi que consertar goteiras era muito difícil.
Cheguei em casa e a chuva tinha passado, o céu se abria em um pôr do sol laranja suave, daquele que dá vontade de sair flutuando, e que céu não dá vontade de flutuar?
Então eu comecei a escrever cartas, muitas cartas que eu sabia que não iam chegar, que nunca seriam entregues, é que eu queria colocá-las naquela caixa de correio abandonada, não queria vê-la vazia ali no meio do campo, quem sabe os passarinhos pudessem derrubar as cartinhas em um dia de chuva, e elas pudessem sair rolando na água e chegar em algum lugar? Coisas mágicas acontecem.
Peguei minha bicicleta novamente, não chovia, mas o céu estava lotadinho de nuvens, e lá fui eu, coloquei as cartas na minha cestinha de flores a caminho de entregá-las para ninguém em uma caixa abandonada. Quando cheguei o passarinho estava lá novamente com outros passarinhos, e todos falaram das goteiras em seus ninhos, e eu repeti que era difícil consertar goteiras. Eu não entendo aqueles passarinhos, vivem se molhando na chuva, e não gostam de uma gotinha em seus ninhos? Mas deve ser por causa dos filhinhos, proteção.
E assim minhas cartas lá ficaram, e sempre que volto lá, não estão mais, eu não sei bem o que acontece, só sei que escrevo sempre mais, essa história dos passarinhos e da chuva contribuírem para levarem as palavras, me faz achar graça das goteiras, essa história de uma caixinha abandonada que ainda consegue mandar cartas, me faz ter muita esperança!
Foi uma questão de uma história mágica.

8 comentários:

Alice disse...

Eu imagino que quem chegar a ler estas tais cartas jamais duvidará da magia de quem as escreve.

Linda Gaby!

Pedro Luis López Pérez (PL.LP) disse...

Es cierto; una Historia llena de Magia y Fantasía que me ha encantado.
Um abraço.

BIA disse...

Olá Gaby!!!
Em um mundo que predomina a violência e a maldade é muito bom ler essas cartas em forma de poesia porque as notícias dos jornais são péssimas e desanimadoras mas na vida existe sim coisas boas, só depende de cada um vê-las e manter-se sempre no caminho da luz!!! Um maravilhoso ano pra você!!! Também adorei lhe conhecer!!!
Bjs *.*

Rita Freitas disse...

Um doce esta história!
Também gostei muito do seu blog

Beijinhos e obrigado pela visita

*Escritora de Artes* disse...

Olá Gaby,

É tão bom ler essas histórias, vc sabe que sou sua fã, adorooo o que escreve, é sempre um prazer lê-la...

Bjos

Kamila Behling disse...

Que saudade!

Te desejo um 2013 BRILHANTE, assim como você. ;*

Canteiro Pessoal disse...

Sua escrita é uma doce melodia!!! É bom retornar a sua casa tão perfumada e delicada.

Abraço,
Priscila Cáliga

aline disse...

que blog mais lindo! que texto encantador... li cada linha tão cheia de amor e afeto. adorei!