Páginas

terça-feira, 17 de abril de 2012

Amizade Macia.


Existia uma pequena chácara em um lugarzinho que ninguém sabia o nome, talvez não tivesse um nome porque não queria, mas eu acredito que esse lugarzinho não tem nome para assim, cada um poder chamá-lo da forma como bate no coração, eu por exemplo, ao me deparar com ele, com seus campos tão verdinhos, com tantas árvores de frutas, com aquela casinha simples e aconchegante, passei a chamá-lo de lugarejo macio, sei que não é um dos melhores nomes, mas fazer o quê se me bateu assim no coração?

Nesse lugarzinho macio, existem várias histórias que acontecem assim sem perceber, toda hora acontece uma história que não conhecemos, e eu vou começar a contar uma de três amigos sinceros e macios.
Gui é um coelho, Di é uma ovelha e Léo é um pato, e os três moram ali na chácara, se conheceram quando bem pequenos e viraram amigos tão rápido como contar um segundo. Eles são bastante diferentes, Gui apesar de correr pelos campos com extrema rapidez é bem quieto, o mais silencioso de todos. Di não gosta de andar muito rapidamente e fala razoavelmente. Léo gosta de nadar e é o bichinho mais tagarela que existe.
Apesar dessas diferenças, de um correr, outra andar devagar e o outro nadar, eles sempre ficam juntos. Apesar de um falar pouco, outra falar mais ou menos e o outro falar muito, todos conversam juntos.
Um dia os três amigos ficaram na chuva se divertindo, o arco-íris surgiu, o sol reapareceu, e eles comentaram “Somos amigos seja de sol, seja de chuva”.
Eles adoram pegar os bolinhos que a menina da chácara faz, que engraçado os três gostarem de bolinhos! Gostam de contar estrelas, de sentir o cheiro que o vento traz, de soprar as folhas pequenas de outono, olhar as nuvens… gostam de todas essas coisas que tornam a gente mais leve e que é bom demais fazer com um amigo.
Talvez é bem por eles que eu coloquei o nome do lugarejo de macio, afinal apesar dos amigos serem bem diferentes, ambos são tão macios com seus jeitos.
Um dia eles hão de preencher algum desses livros bonitos e ilustrados com suas pequenas aventuras na chácara, afinal uma história assim macia tem que ser contada, e quem sabe amaciar alguns corações por ai, quem sabe ao ler os três amigos nos tornamos amigos deles também, e assim damos um passeio no lugarejo macio.

7 comentários:

Escritora de Artes disse...

Oi Gaby,

Eu adoro seus textos, esse é de uma pureza macia...rs

Bjos querida amiga

Néia Lambert disse...

Gaby, seu blog é assim, um lugarejo lindo e macio! Parabéns pela história, é encantadora.

Beijos

Luciana Lís disse...

q lindo texto!
teu blog é mto legal, genuíno!
mto interessante.

;)

Denise Portes disse...

Gaby querida,
Suas histórias e poesias são um passeio no lugarejo lindo e macio.
Um beijo
Denise

Fred Caju disse...

Todas as histórias macias hão de ser contadas.

Aproveitando, deixo aqui um vídeo para xs leitorxs do espaço:
http://vimeo.com/40411264

Lívia disse...

e eu vou querer comprar um exemplar ;)

beijão

Thainá Rosa disse...

Gaby, quando te leio me sinto tão outono! Suas histórias são tão maternas, posso te imaginar contando-as para seus filhos, não sei porquê, mas tudo aqui tem qualquer coisa de Nárnia e Meia Noite em Paris. rs Fico feliz, sabe.