sexta-feira, 2 de março de 2012

Um beijo no Coração.


Aline,
O silenciar agora desta tarde me traz poemas, letras de muitas vozes para dentro do meu coração. Sons de muitas notas abraçando meu espírito. A cor se faz presente na minha carta, como se o pôr-do-sol depois da chuva se instalasse nela, um depois de chuva sem arco-íris, arrisco até a dizer sem promessa, mas não são todos os pós-chuvas que nos presenteiam com um arco-íris, com uma promessa. Porém, tudo se faz tranquilo Aline, como se a promessa resolvesse aparecer de outra forma, com outra cor, com um outro jeito. Senti medo quando a chuva começou a barulhar em cima do telhado com seus raios, ventos e trovões. As chuvas desses últimos dias de verão sempre vêm, o bom é que depois vem o outono, e tudo vai ficando mais silenciado. Esse silêncio de fora, porém faz mais barulho aos sons de dentro, e assim você começa a procurar a se silenciar também como o outono, a tentar deixar cair tudo que precisa cair dentro de você. E essa caída é promessa de folhas renovadas, até as mesmas, mas renovadas. Enfim que o seja, no entanto ainda é final de verão, e outras tardes irão barulhar muito como essa, e depois trará cor silenciosa para escrever cartas. Trará beija-flores em árvores de flores vermelhas, molhadinhos da chuva a beijar as flores que ainda pingam as últimas águas. Como o vi Aline resolvi lhe escrever, se talvez eu não o tivesse visto em meio as chuvas e silêncios dessa tarde, não me debruçaria no papel, talvez todas essas palavras e letras sejam dele e não minhas. E o vi beijando flores vermelhas, e o senti beijando meu coração também vermelho, como uma promessa, que não apareceu em forma de arco-íris lutando contra nuvens, mas como um beijo terno de um beija-flor. E quando o coração é beijado tão suave Aline, precisamos falar.

Um abraço de tarde de verão,
Mary.

11 comentários:

Jeff disse...

Lindo! poesia pura!
E eu adoro cartas assim.....=)

Abraço!

Denise Portes disse...

Gaby,
Que essas cartas doces em forma de poesia permaneçam eternas.
Lindas palavras.
Beijos
Denise

@ Escritora disse...

Que carta poética, quanto sentimento descrito, adoraria receber uma assim....

Bjos

Sahara Higino disse...

E a voz que doce é,
deságua no olhar..

Bruna Gabriela disse...

Que carta linda!
Chique demais

A.S. disse...

Uma doce melodia... uma serenata à chuva!...


Beijos,
AL

Kamila Behling disse...

Gabi... LINDOOOOOOOOOOOO!
Falasse por mim nesses últimos dias de verão, tão envolventes no meu coração.
Lindo, lindo, lindo!

Beijos doce, doçura!
Fiques com DEUS.

APENAS PALAVRAS disse...

Enquanto houve mentes brilhantes como a sua a qual posta coisas maravilhosas haverá sempre um balde de gelo no qual poderá com poucas ou muitas palavras expor seja lá como for aquilo que sua linha da imaginação possa ela crias sempre estará parte daquilo que és daquilo que nos revela numa simples imagem assim como ti na sua mais pura simplicidade de mulher que és no intimo que fora criada posta sempre algo referenciando a fragelidade a força e as virtudes da mulher naquilo que és mulher. Obrigada linda por fazer o mesmo retribuindo de bom grado minha visita no seu blog o qual já esta em meus favoritos guardado com muito carinho em meu coração.... Jamais a questionarei por que não a o que questionar tudo é perfeito e feito de uma tamanha magnitude que são meramente expressas de uma maneira tão suave e simples como se escrevesse cada palavra e cada linha com o sopro e a suavidade de sua respiração que nos faz crer que na simplicidade daquilo que fora criada mulher tem o poder e o dom da escrita na sua pura feminidade....Um forte abraço e um bj bem no seu coraçãozinho....
http://www.uanderesuascronicas.blogspot.com
Convido-a fazer parte do meu blog...

Valéria Sorohan disse...

Apesar do barulhão que causa seu texto. Serenou aqui dentro de mim.
Lindo.

BeijooO*

AC disse...

Carta escrita em paleta de cores melodiosas, harmoniosas, aconchegantes...

Beijo :)

Iasminne Fortes disse...

Que carta doce, Gaby. Amei o trecho que fala das folhas renovadas, me lembrou: 'novas folhas, novas flores, na infinita benção do recomeço'.

E tem abraço mais gostoso que abraço de tarde de verão?

Beijo!