quinta-feira, 3 de novembro de 2011

O Caderno de Lisa.


Lisa morava em um pequeno sítio com sua avó e seus três irmãos. Ela tinha um gosto especial em escrever pequenas descobertas, enchia seu caderno de pequenos detalhes, novidades e sentimentos que descobria fazer parte de seus dias e de seu coração. Gostava de caminhar pelo campo e observar tudo que estava nestes caminhos, sempre com o caderno em mãos, repleto de páginas escritas, como da descoberta daquela formiga que carregava em um dia de sol uma pena. Lisa deduziu que um pássaro a perdeu, e a formiga esperta com vontade de voar, tentou.

Registrava as cores do céu, a sensação do vento no rosto, o desabrochar de diferentes flores, o despertar de pensamentos que caia como chuva em dia de aguar as folhas.
Um dia um dos irmãos menores de Lisa ficou muito doente, e ela lhe deu um balão vermelho, Lisa fizera a descoberta de como era um sorriso que brotava da dor. Seu irmão ficou melhor, e a garota registrou seus primeiros pedalares com a bicicleta, e pregado ali junto dela o balão vermelho.
Gostava da descoberta suave de olhar sua irmã colhendo maças na primavera com um chapéu de sol, o dia parecia ficar mais colorido. Gostava de escrever como ficava seu irmão sentindo o cheiro de bolo da avó no forno. Sentia seu coração feliz e dos dedos coloridos quando registrava as histórias que sua avó contava, sentada na poltrona com o vento balançando lá fora, as cortinas, as folhas, o dia, trazendo a chuva de fim de tarde e o canto de chover do bem-te-vi.
Lisa tinha um caderno de pequenas descobertas e pequenos detalhes, sonhos flutuantes. Tinha em seu coração que um dia essas coisas mudariam, e neste dia precisaria do seu caderno, para sempre lembrar que a vida não é só feita dos dias que vão mudar, do futuro grande e incerto. A vida também era feita de doces lembranças que ficam nos dias pequenos que não mudam. Por isso Lisa escrevia.

3 comentários:

Denise Portes disse...

Gaby,
E assim somos nós os escritores, os sensíveis, os observadores da vida. Gosto muito do seu blog, dos seus textos e da sua sensibilidade.
Um beijo, com carinho
Denise

Você em Pauta disse...

Sou feliz, porque nas paginas de meu caderno, tenho seu nome escrito.....

Suas poesias deveriam ser receituarios medicos, ler de 8 em 8 horas!

Fred Caju disse...

Há uma Lisa em você, em mim, em todos.