Páginas

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Canção de amor.

Deixei que aquela canção
em mim fizesse coração.
Canção de flor,
flauta de vento,
perdida no tempo,
nas cordas das harpas das nuvens,
no piano do céu.
adormecida em mim ao anoitecer
acordada em mim ao amanhecer,
pôr-do-sol no meu entardecer.
Deixei a canção em mim
com promessas de cor.
Deixei tocando e cantando
nesse ser de águas e asas,
com fragmentos de intensidade,
com vestígios de eternidade,
com certeza de amor.

3 comentários:

Patricia Thomaz disse...

Essa canção me encantou. Encantou meu dia. E fiquei sonhando com um lindo pôr do sol.
beijinhos

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


COMPARTIENDO ILUSION
GABY

CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...




ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE HÁLITO DESAYUNO CON DIAMANTES TIFÓN PULP FICTION, ESTALLIDO MAMMA MIA, TOQUE DE CANELA ,STAR WARS,

José
Ramón...

Kamila disse...

Teu cantinho encantador, saudades dele!

Mil beijinhos, amada.
Fiques com DEUS.