Páginas

domingo, 11 de setembro de 2011

Cavalinho de Madeira.


Há tempos não via aqueles cavalinhos de madeira de balançar, não se lembrava se tinha balançado em alguns deles quando criança, aquele balancinho a fazia lembrar outras infâncias, outras moradas fora dela, e o que é mais bonito nisso tudo, é lembrar outras casas que não são as nossas, mas sabemos que aquele outro viveu e sorrimos por isso, quando é assim fica mais leve, sorrir pelo outro.
Passava na rua da biblioteca e a varanda daquela casa a chamou pelo olhar, e que os olhos pegaram foi um cavalinho de madeira vermelho com detalhes pretos e marrons, balançando não estava, apenas esperando a menina ou menino chegar ali e se imaginar o explorador e seu fiel cavalo, fiéis um ao outro sempre, ou apenas um passeio leve pelos campos mais distantes, cheios de amizade, girando o mundo com o coração. Sorriu de sua imaginação verdadeira, e caminhou pensando nos balançares que nunca teve e que a fazia do mesmo modo feliz.

2 comentários:

Dois Rios disse...

Oi, Gaby!

Tão lírico quantto lindo!
Creio que a forma mais delicada de se balançar seja através da imaginação.

Desculpe-me a ausência. Vários pepinos me obrigaram a dar uma pausa no blog, dentre eles, meu carro roubado. Mas já passou. Agora é torcer para que um cavalinho de madeira me chame pelo olhar.

Meu beijo,
Inês

d. disse...

Consegui estar nos lugares descritos no texto e, acredito, até agora sinto o vento nos cabelos e a sensação do sonho doce de imaginar desbravar todo um mundo. sem precisar sair do lugar.