Páginas

sábado, 6 de agosto de 2011

Flor do Vento.


E quando você sente o distante
A apertar o coração de esperas,
Perde o poder de ficar flutuante.
Começa a se sentir como uma flor
Na beira de um lago,
Procurando por um sonho vago,
Que o vento vai e leva para dentro,
E um só sopro, e em um só suspiro.
Os sonhos vão se despedindo,
Não vividos todos vão ficar
Invisíveis como a água vão se tingir,
Esperando o breve despertar.
Quando você se sente como flor
Na beiradinha de um lago,
Em dia de vento forte,
Perde as forças de escrever versos, poemas…

O vento te curva, você beija a água, vê seu reflexo,
E volta.
A ventania vai passando,
Ali ainda você está.
Seu coração pulsando
Volta com os sonhos que o vento levou.
O céu abre, e você ainda é uma florzinha na beira do lago,
Que consegue passar por ventos,
Resgatar sonhos e diminuir distâncias.

4 comentários:

Alice disse...

Quem nasce pra flor ignora a contra-mão do vento.

=*

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Quão bonito
ficou este texto.

O lago...
O vento...
O olhar...
A vida...

Viver é sentir os sonhos
com o coração.

Rá ~° disse...

Tãooo lindamente doce! *-*

beijo grande Flor!

Fred Caju disse...

Quantas imagens neste poema! Não poderia ter vindo em hora melhor!