quarta-feira, 27 de julho de 2011

Querida Nicole,


Recebi sua carta com cheiro de outono de uma maneira bastante improvável e curiosa, sempre quem traz as cartas aqui é aquele carteiro lembra? O entregador engraçado, começamos a chamá-lo assim pelo modo diferente que ele pedalava, pois então, desta vez não foi ele que entregou, uma situação bastante curiosa, comecei a pensar o que teria acontecido, eu havia conversado com ele na semana passada, este carteiro é bastante parecido comigo, um acompanhado solitário. Mas enfim, enquanto não descubro o que aconteceu com meu novo amigo vou lhe escrevendo agora o porquê do improvável.
Minha mãe arrumou um gato, você sabe bem da paixão da minha mãe por gatos, este é um pestinha, arranha tudo, inclusive jornais e cartas jogadas na varanda, e foi bem improvável que ele não tenha feito o mesmo com a sua, cheguei em casa, tomei o envelope intacto e olhei para o Breno (o nome do gato), é tão engraçado como sua imaginação permanece em mim Nicole, eu juro que disse a mim mesmo naquele instante “Eu acho que ele sabe o que devemos receber nesta casa”.
Eu sinto sua falta e fiquei feliz que tenha me sentido perto nesse momento de tantas mudanças, você sabe que eu sempre estarei, sempre estive, e eu também sei disso.
Você disse caminho, eu fiquei nessa palavra um tempo, tem palavras que são tão bonitas e cheias de significados assim sozinhas sem precisar de outras, caminho significa tantas coisas.
Eu não sei se é medo, mas me preocupo com seu coração, não sei se consigo explicar isso, eu acho que não.
Lembra do senhor do algodão-doce? Mentiria para mim mesmo se negasse o vazio que é ir naquele parque sem você, ver todas as coisas com meu olhar apenas, quando este era acompanhado do seu. Quando íamos ao parque você sempre queria algodão-doce, e quando terminava dizia olhando para mim “Doçura indizível!” Comprei o algodão e fiquei a olhar, esses momentos não tem que me deixar triste e sim me levar para perto de você.
Não tenho tantas notícias, aqui continua no mesmo ritmo, tenho estudado, trabalhado na loja de minha mãe, ando pensando, principalmente pensando.
Espero sua próxima carta, espero você.
Sempre seu,
Marcos.

4 comentários:

Rute Vieira disse...

"...tem palavras que são tão bonitas e cheias de significados assim sozinhas sem precisar de outras..."
palavras ou cartas, Gaby, enchem meus olhos de emoção!

beijo no ombro

Deyse Sales disse...

Lindo.

Rodrigo Moura disse...

Saudade é a encarnação do instante que se foi, é estar presente no passado.

Parabéns pelo texto. =)

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Além das sensíveis palavras,
lembrei do maravilhoso tempo,
onde escrevíamos
e recebíamos cartas...

Viver é sentir os sonhos
com o coração.