Páginas

domingo, 1 de maio de 2011

Casal de Porcelana ( de Verdade).


Era um casal feito de porcelana, tinham dois cãezinhos feitos do mesmo material, e seu próprio amor também de porcelana era feito. Sentavam em um banquinho de um jardim de verdade. Quando se sentavam entrelaçam as mãos e ficavam em silêncio olhando tudo ao redor, conversavam trocando palavras com os olhos e com o coração.

Um dia ela perguntou pra ele:
- Por que somos feitos de porcelana, todos não parecem ser tão fortes?
- Não sei, talvez eles só pareçam.
- Deve ser divertido sair correndo por ai sem medo de se quebrar, deve ser muito bom – disse ela abaixando a cabeça e brincando com o cãozinho.
- Talvez podemos também correr sem medo de quebrar.
- Mas como? Somos feitos de porcelana esqueceu, temos que ter cuidado para dar um passo somente.
Ele olhou para o céu, uma nuvem tinha forma de um gatinho saltitante e feliz atravessando toda aquela imensidão azul, parou um tempo naquela imagem até ela ir caminhando e se desmanchar pelo céu. Ela brincava atentamente ainda com o cãozinho.
- Você já parou pra pensar que somos parecidos com as nuvens?
- Somos? – ela olhou para o céu também.
- Sim, elas são tão frágeis, vão caminhando por todo esse céu azul e se desmancham facilmente, são gatinhos saltitantes e de repente não são mais, somos parecidos não é mesmo, feitos de porcelana e se caminharmos por ai talvez quebraremos, perderemos nossa forma, cairemos em chuva de estilhaços, em pequenos cacos.
- É verdade, somos bem parecidos com elas – disse observando uma nuvem em forma de tartaruga.
- E é nesse ponto que imaginamos e nos perguntamos por que elas não se recusam a se movimentar então se vão desmanchar, elas têm coragem, muita coragem.
Os dois cachorrinhos do casal saíram correndo ganhando pelos de verdade, a aparência de porcelana foi sumindo e de repente eles estavam brincando com os outros cachorros que ali estavam próximos.
- Será que podemos ter essa coragem também de caminhar mesmo com o risco de quebrar ou desmanchar? – perguntou ela.
- Sim, podemos, e ainda o que é mais bonito, está vendo aquela nuvem em forma de pássaro, ela atravessou toda essa parte sem desmanchar, podemos chegar ao final inteiros ainda, mesmo quebrando ou vindo a quebrar.
Ela sorriu pra ele, os dois deram as mãos e de repente a cor pálida da porcelana de que eram feitos tomara cor, forma e textura de pele, sentiram o vento batendo e arrepiaram, sentiram a grama do jardim nos pés, e que sensação boa era aquela de sentir a grama nos pés, recearam ao levantar do banco, mas só olharam para suas mãos unidas, suas peles verdadeiras, respiraram o ar e levantaram, de mãos dadas caminharam com os cachorrinhos correndo atrás, sem medo de quebrar. Correndo pelo gramado daquele jardim até o sol de fim de tarde raiar.

5 comentários:

Marília Costa disse...

Na realidade somos todos interiormente feitos de porcelana. Graças a Deus nos arriscamos bastante e a porcelana se transforma em carne e osso. È preciso ter coragem para ser feliz!
Seu espaço é ótimo, menina!
cheiroo!

Fred Caju disse...

Sagaz!

Você em Pauta disse...

Sonhos tbem sao feitos de porcelana. O amor por vezes tbem....

Na delicadeza do caminhar, pego meu coração de porcelana e coloco em suas maos de nuvens!

Me ajude a caminhar!

Canteiro Pessoal disse...

Gabi, excelente!

Abraços

Priscila Cáliga

Amanda Lemos disse...

Muito interessante o Blog !
Deixo o meu aqui, caso queira dar uma olhada, seguir...;

www.bolgdoano.blogspot.com

Muito Obrigada, desde já !