Páginas

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Mudanças de Céu.


E o céu tampou as cores, como se eu pudesse dizer céu, falar céu era um erro terrível, na verdade quem tampou as cores foram as nuvens, sim elas vieram de mansinho e logo o céu azul com seus fiapos amarelos e laranjas desapareceu, cinza se tornou sua cor, não, olha o erro novamente, cinza não era a cor do céu e sim a cor das nuvens repletas de gotinhas de água prontas para molhar o chão da minha calçada, só que pensando novamente e com mais intensidade o céu já ficou cinza sem as nuvens, não errei tanto quando disse que o céu tampou as cores ,as nuvens fazem parte do céu assim como aquele pássaro. Ele pousou na árvore que fica na frente da minha janela e cantou um piozinho melodioso que até outro passarinho que estava no canto parou de cantar e passou a escutar o canto dele, e isso me dá uma nova idéia meio louca, como o pássaro também é parte do céu, talvez fosse ele com o seu canto que puxou as nuvens e com elas a chuva, o passarinho tinha poderes mágicos. A chuva então caiu, primeiro em gotinhas pequeninas, depois médias e por fim grandes gotas que não eram mais gotas e sim um risco em linha reta de água, com toda essa forma molhada os meninos que jogavam futebol na rua continuaram jogando e ficando molhados por inteiro, logo ouvia-se os gritos das mães desesperadas dizendo que eles pegariam um resfriado, as duas mulheres que vinham com bolsas e sacolinhas conversando pela rua começaram a correr, o senhor que jogava xadrez com seu amigo protegeu as peças e as guardou rápido, poderia ficar molhado mas as peças não, outra moça passou correndo, um cachorro passou correndo, outros porém se deliciavam na chuva, e eu na janela.
E qual seria minha reação perante a chuva? Afinal todo mundo teve uma, e se eu escolher não ter reação alguma e continuar olhando pela minha janela as reações das pessoas lá embaixo. Puxa que susto! Enquanto penso um novo pássaro pousa na árvore e canta mais um pouquinho, ele parece feliz com a chuva, meio molhadinho no frescor da árvore, esse pássaro não me engana ele só mudou de forma, deve ser o pássaro mágico que chamou a chuva com o seu canto, o que será que ele quer aqui novamente? Talvez chamar mais chuva, mas penso diferente dessa vez, acho que ele está chamando a minha reação e particularmente gostei da ideia, com calma sento na minha janela e as gotas começam a me molhar devagar, estico meus braços e consigo subir na árvore e o pássaro mágico voa assustado com minha presença, fico ali nas gotinhas que caem das folhas como um pássaro.
Lá embaixo as pessoas continuaram a correr, molhar, proteger, e eu na árvore tentando imitar o passarinho mágico. A chuva se cessa aos poucos e me pergunto em qual lugar ele cantou para que ela parasse.

13 comentários:

Pâmela Grassi disse...

Gaby,

a primeira parte do texto tu percorreu, escreveu, deslizou, escreveu sem pontos finais, só vírgulas,

o pássaro é parte do céu pois é um vento sem limite,

um beijo,

docedeclinio disse...

Bom, aliás, ótimo!

Não é fácil perceber os passarinhos que chovem e as nuvens que cantam.

Impulsiva disse...

Gaby, quem parou a chuva foi você, com a sua reação, na sua tentativa de descobrir a magia do pássaro...

Lindo texto!!! Você é mesmo encantada e encantadora. Eu nunca imaginaria um texto assim...

Beijos, saudades daqui!!

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Adorei!

Luara Q. disse...

Voce escreve muito bem!

Denise Portes disse...

Querida
A delicadeza das suas palavras sempre mexe com meu coração!
Beijo
Denise

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Gaby,

Tudo o que é mágico nos leva para um mundo melhor.

Espero não perder contato, viu?

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

Eduardo Trindade disse...

A chuva, que é uma só, pode ser, ao mesmo tempo, tantas e tão variadas! De que maneira escolhemos receber a chuva? E o sol, o vento, as nuvens?...
Abraços, guria!

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Como amo criatividade, essa propaganda é perfeita:

http://www.youtube.com/watch?v=M4nFe8WL-wQ

Espero que goste.

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

Débora Oliveira disse...

"Ela e sua janela."

É engraçado, porque sempre que penso em Gabi, a imagino numa janela olhando pro céu. E esse passarinho foi cantar é pra você! Ele canta as belezas da vida.

Me encantas sempre, docinho.

Pri C. Figueira disse...

Seu blog sempre cheio de doçura...
Parece que te vi: na janela, a observar o que acontece ao redor, suspirar com o canto dos passaros, sorrir com as crianças brincando!
Acho que as vezes nos falta um pouco disso, apenas sorrir pelas coisas simples!
Amoooo vir aqui!

Um grande beijo.

Alice disse...

Passarinho canta no seu coração toda vez que a ponta do teu lápis deliza sobre o papel, aí a chuva cai como mágica.


Beijo, Gaby.

Marina disse...

Adoro chuva. Mesmo sendo esse temporal, que está lá fora, acabando com as ruas da cidade.

Beijos!