sábado, 8 de maio de 2010

Você que sempre está.


Um céu de chuva cai pela janela
Recordo-me da música do seu olhar
De quando dizia em voz de aquarela,
Entres suspiros e um singelo sonhar.

Lembro-me daquela rosa entre as cordas
Das notas tocadas de dó a sol,
Do vento que balançava em bordas
Dobrando de cor de fim de dia o girassol.

Penso na minha própria imaginação,
O que fez desmanchar e sumir
Toda aquela frágil e leve canção.

Quando minhas lágrimas começam a cair
Escuto um chamado dentro do meu coração,
Olho o horizonte, tudo ali, tudo dentro de mim, sem ir.

14 comentários:

Denise Portes disse...

Lindo poema!
É assim o olhar das pessoas sensíveis.
beijos
Denise

Pâmela Grassi disse...

Um ceú de chuva cai pela janela,
as gotas entram na casa e nos deixam encharcada de interiores da alma,

Gaby,
poetisa de versos intensos,

Pri C. Figueira disse...

Que lindo Gaby!
Amo esses momentos nostalgicos, que nos trazem lembranças tão boas que nos fazem sentir saudade daquele tempo...
Canções, melodias, rosas e um sonho.. Combinação perfeita!

Lindo, lindo como sempre!

Um grande beijo.

Sabiana disse...

Ai, que delícia de poema!
Tem coisas aqui dentro de mim que também não querem ir, mesmo eu tentando expulsá-las de todos os modos.

bju

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga.

O coração, sempre ele,
nos rouba e nos devolve a nós.
Este poema
é daqueles que mais
do que ser lido,
precisa ser contemplado.

Que a vida esteja plena em ti.

Débora Oliveira disse...

Não sei o que acho mais bonito em você, a verdade é que em tudo há beleza, nas imagens e palavras. Eu posso te ouvir recitar esses versos, o coração permite essas ousadias. É que você cantou para mim hoje, minha flor.

Dois Rios disse...

Lindo poema, Gaby! Uma verdadeira sinfonia em SOL MAIOR. E como toda bela sinfonia, há também uma ponta de tristeza.

Beijo,
Inês

Eduardo Trindade disse...

Que bela surpresa encontrar este soneto aqui. Bonito e tocante. Por que é que a saudade cabe tão bem nestes versos e eles, tão bem em meu peito?
Abraços!

Lucas Mesquita disse...

que cantinho gostoso... vou passar por aqui sempre, e sempre... O/

Alice disse...

entre as notas, um coração de melodia doce e aconchegante. um ir e vir constante onde perdas e ganhos são necessários, há que se saber recompor-se.


suave, como sempre.

beijo

Flávia Braun disse...

Oi querida! Lindo teu blog!!
To conhecendo agora ;)

Doce demais.

Como é difícil desfazer-se de raízes tão bem plantadas em nosso coração,
De momentos e detalhes tão singelos e eternos..

Um beijo!
Flávia

C. disse...

Ah,que belo,feito um sopro cantado.

Adorei! :)

Lívs. disse...

nossa, daria um bela música! sério mesmo (: escreves lindamente, te sigo!

Beatriz Amorim disse...

Muito bonito o poema! Gostei muito! (:
Se quiser dar uma olhadinha no meu blog, seria bom saber sua opinião! Um grande beijo!

biaamorim.blogspot.com (: