Páginas

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Nas rodas da bicicleta.


Era engraçado o modo como entardecia, ela sempre pensava assim, antes de escurecer o céu se tingia ainda mais colorido na despedida, talvez ele soubesse que estava terminando mais um dia e era hora da noite chegar com suas estrelas, constelações e lua. O céu no fim da tarde lhe causava encanto e espanto, e embora o espanto tende a ser sempre maior que o encanto pra maioria dos pensamentos, ela guardava ele numa caixinha dentro de sua mente e deixava o encanto falar mais alto, pegava aquela velha bicicleta que foi da sua mãe e agora era dela, não sabia andar muito bem nela e mesmo assim se colocava a pedalar, em busca de pegar no rosto as cores que o vento trazia quando corria com sua bicicleta pelas praças, pelas ruas, pela beira do mar, em busca de encontrar alguns pássaros no caminho que lhe cantassem, algumas borboletas coloridas, alguns sorrisos, nascer entre seus olhos as flores da primavera.
Era engraçado o modo como a moça pedalava pelos caminhos, como se a vida fosse sempre um encanto sem fim, como se apesar dos lados escuros de ruas e avenidas existisse sempre uma flor pronta pra nascer, como se nas rodas de sua bicicleta existisse uma nota musical sua que se espalhava pelos caminhos que passava, e quando essa nota se juntava com as outras que vinham das demais rodas uma canção completa estava feita, no fim da tarde, na noite, no amanhecer, no dia inteiro.

11 comentários:

Thais Michele disse...

Primeiramente lindaaa a foto, amei o desenho *-*
Adorei o textinho, falando do final da tarde, do pôr-do-sol, sempre belo!!
Lindo demais!!

Andrea de Godoy Neto disse...

Que lindo, Gaby!
Pude escutar daqui a canção, a melodia das rodas da bicicleta, rodando ao entardecer do dia...

Encanto...

muitos beijos meus pra ti!

Pri C. Figueira disse...

Flor...

Verdadeiramente eu estava com saudades dessa doçura e romantismo de suas palavras!
Fiquei imaginando o passeio de bicicleta no fim de tarde, o vento batendo do rosto, o olhar a observar cada lugar... me deu uma vontade de fazer isso!

Espero não mais sumir e não deixar de ler suas palavras que sempre enchem meu coração!

Um beijo.

Filipe Garcia disse...

Oi Gaby,

lendo seu texto, me lembrei de uma frase do Rubem Alves: “É que o pôr-do-sol não é apenas coisa que acontece lá fora. Ele é metáfora poética que mora em mim.”

Gostei da suavidade do seu texto, da poesia com a qual enfeita suas palavras.

Um beijo!

Marcello de Oliveira disse...

Olá!

Uma alegria conhecer seu blog. O Eterno resplandeça o rosto Dele sobre ti, e continue a lhe inspirar para produzir textos deste quilate.

Medite no Sl 36.8,9

Nele, Pr Marcello

Visite>> http://davarelohim.blogspot.com/

e veja a matéria inédita: antiga inscrição hebraica é decifrada

Priscila Farias disse...

adorei!
Tem pessoas que conseguem ver tudo de uma maneira bonita! :)

Iasminne Fortes disse...

Mais um texto belíssimo, Gaby!
'Era engraçado o modo como a moça pedalava pelos caminhos, como se a vida fosse sempre um encanto sem fim...'

eu quero pedalar assim, como a se a vida só tivesse coisas lindas pra oferecer... será que eu consigo?
=*

Alice disse...

Com suas palavras o encanto sempre fala mais alto. Tudo é suave e doce, como imaginar as cores trazidas pelo vento.

Beeijo Gaby!

Lalah Portela disse...

Ahhh amei seu blog tbm *__*
Obrigada pela visita =]

bjus

Vivendo na Eternidade disse...

Deixe-nos adivinhar: o desenho foi você quem fez, certo? Percebe o motivo de sempre nos impressionarmos com suas palavras, Gaby? Elas têm alma, têm um motivo de existir. Característica essa que permeia nossos textos também. Que bom podermos compartilhar contigo essa sensação.
Parabéns pela maneira tocante com que cita as mais belas coisas da vida.

Alice/Carter.

Denise Portes disse...

Ô já sou sua seguidora. Gosto muito de tudo por aqui.
Um beijo
Denise